post_panopticon.www

:afuckingdidacticeducational.project

Leonardo Serralheiro

Sinopse

Partindo de dualidades como sobreexposição e privacidade, que emergem da actual proliferação de dados, post_panopticon.www:afuckingdidacticeducational.project aborda como o espaço virtual se configura como um espaço de controlo sinóptico. Com a disseminação de medias sociais e dispositivos tecnológicos, cria-se uma zona de vigilância em massa mútua que se agrega às redes ubíquas onde “poucos vigiam muitos”, como conclui Thomas Mathiesen. A disponibilização de dados (públicos ou privados) dos utilizadores é agora inerente aos subtis sistemas de controlo contemporâneos. Perante esta potencial observação massiva por via dos dados, este projecto aborda a crescente necessidade de não ser “visto” na sociedade contemporânea.

 

Tendo como base a vídeo-instalação instrucional How Not To Be Seen: A Fucking Didactic Educational .Mov File (2013), em que Hito Steyerl aborda um mundo onde não ser visto pode ser simultaneamente opressivo e libertador, post_panopticon.www:afuckingdidacticeducational.project assume uma postura didáctica. O projeto materializa-se numa plataforma online que explora conceitos e técnicas de protecção, privacidade e invisibilidade, ao revelar métodos e recursos para subverter a sobreexposição. Ao longo do processo de navegação o utilizador é progressivamente confrontado com plugins que permitem destruir, ofuscar e substituir informação ou, inclusive, apagar a sua existência online.

 

Post_panopticon.www:afuckingdidacticeducational.project procura assim promover uma reflexão sobre a entrega (voluntária ou involuntária) de dados, através da exploração de linguagens e ferramentas características da web e dos dispositivos tecnológicos que nos acompanham diariamente. Visa uma sensibilização ao impacto cultural, político e económico dos dados que quotidianamente produzimos, aludindo às potenciais, e frequentemente ocultas, consequências desta forma de exposição.

the data / the web

sociedade de controlo
sobreexposição
voyeurismo
privacidade
invisibilidade